domingo, 15 de fevereiro de 2009

Edmar Moreira (ex-DEM); DEM (ex-PFL)

A falta de tempo para atualizar os posts do blog nos obriga a falar de temas que, por conta da urgência do noticiário, já parecem ultrapassados. Tem-se como aspecto positivo, entretanto, o fato de se poder refletir melhor sobre dado assunto ou se poder comentar sobre seus desdobramentos.

O caso do deputado do castelo, Edmar Moreira (agora sem partido), é desses que, de tanto que se falou e se escreveu sobre ele, parece já desprovido de interesse e devidamente superado por conta da prodigalidade de análises publicadas.

Mas houve aspectos dele que não podem ser negligenciados.

Antes de mais, cabe reiterar observação de um amigo, presente também em ótima análise de Luiz Antonio Magalhães, publicada no Observatório da Imprensa: se o simpático deputado não tivesse ficado com a vice-presidência e a corregedoria da Câmara dos Deputados, ou seja, se não tivesse se posicionado debaixo dos holofotes, certamente continuaria nas boas no seu próprio partido e dentro da Casa. Afinal, a propriedade do bonito castelo já havia sido motivo de reportagem da revista Veja há dez anos, antes mesmo de seu ingresso no então Partido da Frente Liberal, hoje Democratas, sem aparentemente ter causado maiores consternações.

Mas o mais interessante mesmo foi, só para variar um pouco, o comportamento no mínimo ambíguo da imprensa no episódio. Logo que se começou a falar no assunto, pescando uma informação aqui outra ali, ficou patente o fato de que não havia grande vontade de revelar o partido a que pertencia o deputado mineiro. Tive, de cara, apenas uma certeza: o senhor feudal certamente não era do PT ou de qualquer outro partido de esquerda, tampouco teria algum tipo de ligação com o presidente Lula! Se fosse ou se tivesse, e certamente teríamos visto manchetes do tipo “deputado petista é dono de castelo”, “castelo de deputado do PT é avaliado em zilhões”, “petista não declarou castelo à Receita”, “DEM e PSDB vão pedir cassação de deputado, tio de Lula, dono de castelo”. Exagero? Basta o leitor lembrar-se de episódios recentes: “mensalão do PT” x “mensalão ‘mineiro’ (em vez de tucano)”; apreensão de dinheiro de petistas para compra de dossiê contra Serra; em vez de Genival, “o irmão de Lula”; Silas Rondeau, uma vez encrencado, era “ministro de Lula”; Roberto Teixeira, o “compadre de Lula” etc.

Sempre que assuntos como reforma política vêm à tona, os analistas são unânimes em apontar a importância dos partidos. No caso de Edmar Moreira, porém, ficou parecendo que a agremiação que o abrigava era de somenos importância. Não há dúvida que a imprensa quis preservar o DEM, partido do prefeito Gilberto Kassab, dos senadores Heráclito Fortes, Demóstenes Torres e José Agripino Maia, sigla coligada do PSDB na gestão FHC, também aliada dos tucanos nas derrotadas candidaturas de Serra e Alckmin. Nesse caso talvez tenha ocorrido o repeteco de hipocrisia observada quando do surgimento de escândalos dos primeiros anos do governo Lula. Lia-se em fóruns da internet, ouvia-se da boca do povo e depreendia-se de certas análises que escândalos como o do “mensalão” eram especialmente graves por envolver o PT: diziam eles que o Partido dos Trabalhadores havia sempre falado muito de ética, o que tornava inadmissíves os seus desvios. Ora, deduz-se de tal assertiva que se um partido não empunhar tal bandeira fica desobrigado de certos compromissos morais. Daí talvez a despreocupação com o fato de Edmar Moreira estar abrigado no importante partido oposicionista.

Mas o DEM não perdeu tempo e já expulsou o cavaleiro medieval de suas fileiras. Belíssimo gesto, sem dúvida. Pena que, como bem disse o já citado Luiz Antonio Magalhães, fique parecendo pose de virgem no bordel. Se o castelo não foi problema para o político mineiro ingressar no partido, por que é motivo para expurgá-lo agora?

Vimos no caso, pois, hipocrisia da imprensa e dos políticos. Sinal de que as coisas não mudam... E os blogs, com ou sem atraso, se repetem nas suas análises.

Um comentário:

Roberto Locatelli disse...

Olá, Iendis!

Ao procurar o post "Visita ao Hipermercado", entrou uma página sem a matéria. Agora fiquei curioso com essa visita ao Hipermercado.
Pode me conseguir a matéria?

Abraço